GASOLINANDO
Informação de alta octanagem.

Ainda Mais Perto do Chão

The Suspension Return’s !

Alô galera gasolinada, aqui vamos nós em mais uma odisséia pelo mundo das suspensões… Está afim de rebaixar a caranga? Já leu a primeira parte da aventura? Nesta segunda matéria você irá se inteirar sobre os prós e contras e alguns valores médios referentes aos meios mais usados para se descer o calhambeque… Cortar, esquentar, fazer torre, negativar o molejo? Qual o uso do seu carro ? Alie vontade, custo e praticidade agora!

Direto ao pote. O meio mais comum de se ganhar alguns preciosos centímetros a menos provavelmente é cortar algumas espiras da helicoidal. Para saber se isso não irá atrapalhar o uso diário do veículo, é necessário dar atenção a alguns dados referentes ao conjunto de suspensão:

Os amortecedores e molas específicos do seu veículo são projetados para garantir o conforto e a estabilidade máxima possível quando aliados proporcionalmente (conjunto de fábrica). Para continuar com praticamente o mesmo conforto de fábrica e rebaixar a carroça, a proporção tem que ser respeitada quando um dos componentes for alterado. No caso, cortar a mola, influenciaria diretamente (dependendo do quanto seria reduzido) na dirigibilidade e conforto do veículo. Quando a mola sofrer alteração no número de espiras ou na aproximação entre estas, o amortecedor tem que sofrer uma alteração que compensse a diminuição do tamanho da mola, esse é o famoso “fazer a torre”. A rosca do amortecedor é prolongada (na parte superior, fixa à carroceria do veículo) a fim de deixar o curso do embulo com a maior amplitude possivel, evitando que o carro “quique”.  Portando, se o carro for ficar realmente próximo ao chão e você não quer comprar uma suspensão preparada (você já vai ler sobre… mas Não neste post!) recomenda-se “fazer a torre”.

Observe o desenho:

Funcionamento do amortecedor.

Funcionamento do amortecedor.

Nas molas originais do veículo, existe uma “pré-configuração” para a sua atuação, denominada constante elástica, que é calculada de acordo com o peso a ser suportado pela mesma. A constante elástica da mola traduz a rigidez da mola, ou seja, representa uma medida de sua dureza, e é ela que irá influir decisivamente nas condições de conforto e estabilidade do veículo.

Ao contrário da carga que pode ser deslocada e retrabalhada, a constante elástica é praticamente imutável e é definida à partir do instante em que a mola é calculada. A constante elástica da mola é definida pela seguinte equação :

Constante Elástica

Onde :

G = Módulo de elasticidade transversal (76400 N/mm² para aços)                     C = Constante elástica                                                                                                                 d = diâmetro da barra
Dm = diâmetro médio da espira
n = total de espiras ativas

Quando a mola é aquecida a fim de “enfrentar uma compressão” e encolher sua “altura” podem formar-se deformações que interferem em sua “pré-configuração”, modificando seu limite elástico. Quando aquecido, comprimido e resfriado, o aço da mola enrige-se de tal forma que a esta pode apresentar ondulações em sua superfície, micro rachaduras e deformar-se permanentemente, ou seja, ela perderá totalmente sua funcionabilidade e alterará drásticamente a dirigibilidade e conforto do veículo, sem contar o imenso risco de quebra da peça. Bad idea!

Vale a pena dar uma dica pra você leitor… Veja brevemente sobre os principais elementos de liga e seus efeitos principais sobre as propriedades do aço:

  • Silício : aumento da elasticidade
  • Cromo : aumento da resistência à corrosão e diminuição da velocidade de resfriamento
  • Vanádio : formação de carbonetos
  • Molibdênio : formação de carbonetos
  • Níquel : aumento da resistência ao choque e a temperaturas elevadas

Agora, para os donos de Uno, Pick-up’s e demais carros que usam o sistema de molejo como parte da suspensão. Como rebaixar um carro que não ultiliza a tradional mola e sim molejo? Bem… segundo fontes duvidosas da Internet, “uma maneira relativamente segura, é a instalação de um “block kit” (produto importado) que irá alterar o ponto de apoio dos feixes, reduzindo a altura do baricentro”. Bom, não achei tal produto a venda, se alguem tiver alguma informação sobre, deixe-nos a par. Mas cotidianamente, podemos traduzir soluções para abaixar a suspensão de molejo em simples medidas:

  • Levar à oficinas mecanicas que não ultilizem métodos manuais, mas sim algum outro que mantenha a alteração padronizada em ambos os lados do veículo, como uma prensa para “alinhar horizontalmente” o molejo, eliminando a necessidade de esquenta-lo e por vez, comprometer seu funcionamento.
  • Há um método pouco conhecido, mas relativamente comentado entre rebaixadores de molejo, que consiste na verdade em uma espécie de gambiarra do McGiver funcional. É a instalação/adaptação de um par de amortecedores de rosca junto ao molejo, eliminando a necessidade de alteração do “formato original do conjunto”. No entando a inusitada técnica é a mais cara, já que implica no uso de amortecedores roscados. Para quem prefere fixar um parafuso à carroceria e ao molejo, lembre-se: Em possíveis e prováveis trancos e desniveis que o automóvel possa vir a enfrentar, o parafuso que atravessa o conjunto do molejo e liga-se à carroceria, pode romper algum dos componentes ou romper-se, o que resultaria num contra-golpe violento.

Em relação aos preços prometidos, aqui vai uma média dos serviços pesquisados nas oficinas da região*. Os preços incluem o serviço para o conjunto todo.

Fazer a torre: Entre R$160,00 e R$ 230,00

Cortar a mola: Entre R$40,00 e R$ 155,00

Esquentar a mola: Entre R$70,00 e R$150,00

Negativar o molejo: Entre R$ 230,00 e R$ 350,00

Negativar o molejo com o uso de suspesão roscada: Preço da suspensão de rosca desejada + R$ 200,00 em média pela adaptação ao conjunto.

*Interior de São Paulo.

sunp0059

Fontes: Paulo G. Costa (Ilustrações da parte de amortecedores); Molas Hoesh (Informações sobre propriedades e constantes elásticas da mola)

6 Respostas to “Ainda Mais Perto do Chão”

  1. cortei as mola do meu carro, ta com roda 17 e 1,5 dedo na frente e 2 dedo atraz.. ta muito ruim o carro, se eu colocar so o amortecedor menor como o da macaulay e deixa as mola cortada vai ficar melhor ? ou é melhor eu compra umas molas esportiva e deixa somente as mola esportiva ?

    • Queridão, se o uso do carro for para passeio, recomendamos adoção de conjunto amortecedor fixo preparado + molas esportivas; se o uso for esportivo recomendamos rosca + molas sob encomenda; se o uso for para rebaixado, recomendamos fixo + susp. ar ou eletrônica. Se cortar a mola vc altera a constante elástica e consequentemente o potencial de absorção de impactos.

  2. a minha res gasolindo carro i portado

  3. […] de espiras ou na aproximação entre estas, o amortecedor tem que … Veja o post completo clicando aqui. Post indexado de: […]

  4. […] aqui vai a penúltima parte da trilogia de quatro pedaços sobre Suspensões Preparadas (Parte 1 e Parte 2 aqui!). Para mandar ver com estilo, nesse post, O Senhor seu 02, irá ler sobre as famosas […]

  5. TReta heim mano! e tb é uns dos mais barato pra faze!
    rsrsrsrsr


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: